CARNE FRACA

Para mim ainda não ficou muito claro se o adjetivo “fraca” se refere realmente à baixa qualidade da carne dos animais abatidos e comercializados pelos frigoríficos investigados pela Polícia Federal ou se diz respeito ao velho dito popular: “ a carne é fraca, fazendo uma analogia aos fiscais corruptos que ganhavam vantagens indevidas para “passar a mão na cabeça dos empresários que estariam vendendo “gato por lebre” ou melhor… frango por peru ou papelão por salsicha ou salmonela por frango ou carne estragada e fora do prazo de validade por carne boa.

O mais estranho nisso tudo, paródias à parte, é que alguns segmentos tentam desviar o foco do problema, vitimizando os bandidos que deram origem e motivo à operação, apresentando números que pela porcentagem pequena, face ao total de frigoríficos brasileiros que não foram investigados ou descobertos ou que não enganavam a saúde pública e a vigilância sanitária, fariam com que a “CARNE FRACA” não parecesse grande problema.

É certo que sendo o Brasil o maior exportador de carne bovina e de frango do mundo, as cifras biliardárias desse negócio, obviamente ajudam a engordar o bolso de muita gente, mas também participam de forma significativa da balança comercial brasileira. Isso explicaria talvez a busca pelas soluções rápidas e a diminuição do problema, para não perder mercados consumidores, porém não podem jogar esse lixo para debaixo do tapete, passando a mão na cabeça dos malfeitores.

Não podemos esquecer que não se trata apenas de um caso isolado de corrupção, mas sim de uma rede de corruptos que estariam com seus atos, permitindo que produtos de má qualidade chegassem à mesa dos consumidores.

O consumidor brasileiro está apavorado e com razão, da mesma forma os importadores da boa carne, também  estão no mínimo, receosos de fornecerem aos seus mercados carne de má qualidade. Isso tudo ainda precisa de esclarecimento.

De qualquer forma, precisamos tirar proveito dessa experiência para no futuro, não deixar que por causa de alguns favores, o nome de nossa boa carne seja machado, pelo descaso de quem se acostumou a não fiscalizar os fiscais.

Criadores brasileiros se esforçam para manter os animais dentro de um exigente padrão de qualidade e não é justo que toda uma cadeia produtiva seja prejudicada pelo mal feito de alguns. Da mesma forma, o governo exige o cumprimento de normas rígidas, quanto à saúde dos produtos e deve ser ressaltado que foi rápido e eficiente, tentando apagar a má imagem criada a partir das declarações do Delegado que comandou a operação policial.

Se o caso tomou realmente proporções maiores do que deveriam, deve ser lembrado, que se criou o hábito de espetacularizar as operações policiais e o “tiro pode sair pela culatra”, caso alguém tenha falado algo que não possa ser provado. É hora de se dar um basta à pirotecnia da Polícia, do MP e também do Judiciário. Para alegrar o povo e justificar seus palpudos salários, basta que façam o bom trabalho, porém que falem menos.

Tem muita gente correndo atrás dos holofotes e isso pode causar constrangimentos. Se for esse o caso que se punam os excessos de quem falou de mais, mas que não se permita mesmo assim, inocentar quem merece o rigor da lei e que cada um que pague pelos seus erros na medida de sua culpabilidade.

http://g1.globo.com/economia/noticia/producao-e-exportacao-de-5-plantas-esta-suspensa-apos-operacao-carne-fraca.ghtml

http://www.abcdoabc.com.br/brasil-mundo/noticia/operacao-carne-fraca-exonerados-superintendentes-parana-goias-46902

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *