O CRIME ORGANIZANDO OS PRESÍDIOS

Esse tema  ainda é um mito para muita gente, que sempre faz o possível para não tocar no assunto, porém há alguns dias, a imprensa vem noticiando fatos que acontecem, dentro e fora dos presídios, por conta das investigações tocadas pelo Ministério Público de São Paulo.

Realmente a população carcerária vive uma fase difícil, com uma série de problemas.

Primeiramente a superpopulação.

Também vemos a falta de estrutura, para que se possa desenvolver um trabalho psicossocial, aliado a projetos educacionais, visando a ressocialização dos presos, que estão lá apenas esperando o tempo passar.

Sem dúvida o governo de São Paulo tenta dar uma resposta ao PCC, Primeiro Comando da Capital, mas achar que o problema está sendo resolvido é uma afronta aos ouvidos de quem entende um pouquinho de Segurança Pública.

É fato, que o sistema prisional, sendo desestruturado, não consegue obviamente organizar a vida lá dentro e com a ausência do Estado, quem organiza e dá as cartas, sem dúvida, é o próprio PCC, que é até chamado de partido, que vive da contribuição de seus filiados.

Hoje não se fala em violência dentro do sistema, estando praticamente abolida a prática de abusos sexuais e físicos contra os presos e não foram os guardas dos presídios que conseguiram essa façanha, foi o próprio partido e afirmo isso sem a menor dúvida.

Eu até entendo que em ano pré-eleitoral o Governador de São Paulo não possa reconhecer e dar o braço a torcer, mas o PCC manda e desmanda no sistema prisional.

O senhor acha que foi a polícia que acabou com a crise da violência em São Paulo, que começou no fim do ano passado, quando diariamente ocorriam atentados contra policiais, delegacias e diversos prédios públicos, sem falar nos ônibus queimados? Não.

A senhora acha que foi a Polícia que conseguiu ajeitar tudo? A resposta de novo é não.

Quem resolveu com muita facilidade foi a política e seus acordos que ninguém vê, escreve ou assina. Bastou a troca do Secretário, com a consequente substituição de alguns comandantes da PM e principalmente da ROTA, que os crimes cessaram.

Os bandidos não admitiam que seus comparsas quando dominados e presos, fossem mortos sem necessidade. Com a chegada dos novos comandantes ficou esse acordo de prender com menos violência e tudo voltou ao normal.

Para finalizar, realmente é uma falta de vergonha, os criminosos utilizarem os celulares de dentro do presídio e ninguém fazer nada. A polícia e o MP grampeiam os telefones dos presos, mas não os apreendem e muito menos impedem sua entrada nos presídios.

Quando se fala em bloqueadores de celulares, dá vontade de rir. É muito fácil, mas falta a vontade política e coragem de cortar o sinal, pois todos que residem ou transitam nas proximidades dos presídios, também perderiam seus celulares. Quero ver para crer.

Cláudio Avelar